Sobre epidemias, provações e crise

Estamos vivendo dias de preocupação devido ao novo coronavírus. Penso ser oportuno refletir em família sobre este assunto, a fim de nos conscientizarmos da seriedade dos dias em que vivemos. E mais: é momento de fortalecer nosso conhecimento da vontade de Deus e solidificar nossa confiança nEle.  

Por isso, fiz esta pequena compilação de textos da escritora Ellen White para que sejam lidos em família. Aproveitemos o momento de quarentena para aprofundar o diálogo e nosso preparo para os dias de provação que em algum momento virão com maior intensidade. Leiam as citações e conversem sobre elas. Havendo crianças menores em casa, expliquem em palavras simples o que tudo isso significa.  

Nos tempos finais haverá epidemias, pragas, fome e guerras 

Nas últimas cenas da história terrestre, a guerra se propagará. Haverá epidemias, pragas e fomes. As águas do oceano transporão seus limites. Propriedades e vidas serão destruídas pelo fogo e por inundações. Deveríamos estar nos preparando para as mansões que Cristo foi preparar para os que O amam. Há um descanso do conflito terrestre” (RH, 19/10/1897). 

Por que o mundo recebe epidemias e outras coisas incomuns? 

Um pouquinho das taças da ira de Deus já tem tido permissão para cair sobre a terra e o mar, afetando os elementos da atmosfera. As causas dessas condições incomuns estão sendo estudadas, mas inutilmente. 

Deus não tem impedido que os poderes das trevas levem avante sua ímpia obra de poluir o ar, uma das fontes de vida e nutrição, com uma pestilência fatal. Nãsomente é afetada a vida vegetal, mas o homem sofre deepidemias.  

Estas coisas são o resultado de gotas das taças da ira de Deus que estão sendo borrifadas sobre a Terra, e constituem apenas débeis representações do que acontecerá no futuro próximo” (Mensagens Escolhidas, Vol. 3, p. 391). 

Necessidade de higiene 

A negligência do asseio levará à doença. A enfermidade não vem sem causa. Têm ocorrido violentasepidemias de febres em vilas e cidades consideradas perfeitamente saudáveis, dando em resultado físicos deteriorados e mortes. Em muitos casos, o ambiente das próprias pessoas que caíram vítimas dessasepidemias continha os agentes de destruição que transmitiram à atmosfera o veneno para ser inalado pela família e a vizinhança. É surpreendente ver a ignorância dominante quanto aos efeitos produzidos pelo relaxamento e a negligência sobre a saúde” (Lar Adventista, p. 22).  

Qual deveria ser nossa atitude diante de toda provação? 

Para toda a provaçãoproveu Deus auxílio. Quando Israel, no deserto, chegou àáguas amargas de Mara, Moisés clamou ao Senhor. Este não proveu nenhum remédio novo; chamou a atenção para o que lhes estava ao alcance. Um arbusto por Ele criado devia ser lançado na fonte para tornar a água pura e doce. Isto feito, o povo bebeu dela e refrigerou-se. Em todaprovação, se O buscarmos, Cristo nos dará auxílio. Nossos olhos se abrirão para discernir as restauradoras promessas registradas em Sua Palavra. O Espírito Santo nos ensinará a apoderar-nos de toda bênção, que servirá de antídoto para o desgosto. Para toda amarga experiência havemos de encontrar um ramo restaurador” (A Ciência do Bom Viver, p. 248). 

O que devemos fazer para enfrentar as epidemias e doenças? 

Quanto mais simples e naturalmente vivermos, tanto mais capazes seremos de resistir àsepidemias e doenças. Se nossos hábitos forem bons e o organismo não for enfraquecido por ação contrária à natureza, proporcionará todos os estímulos de que necessitamos” (Temperança, p. 159). 

Precisamos estar perto de Deus! 

Podemo-nos conservar tão achegados a Deus que, emcada inesperadaprovação, nossos pensamentos para Ele se volvam tão naturalmente como a flor se volta para o Sol” (Caminho a Cristo, p. 99, 100). 

Nestas horas, a fé em Deus é essencial! 

Nas horas mais escuras, sob as mais proibitivas circunstâncias, o crente cristão pode suster sua alma sobre a fonte de toda luz e poder. Dia a dia, pela fé em Deus, sua esperança e ânimo podem ser renovados. No serviço de Deus não precisa haver desalento, nem vacilação ou temor. O Senhor fará mais que cumprir as mais altas expectativas dos que nEle põem a sua confiança. Ele lhes dará a sabedoria que suas múltiplas necessidades demandam” (Maranata, Meditação Matinal, p. 64). 

*** 

Entregue o seu caminho ao Senhor; confie Nele, e Ele agirá” (Salmo 37:5, NVI). 

Por: Adolfo Suárez

Os conselhos de uma mãe enferma em tempos de crise

Enquanto trabalho pensando no que estamos vivendo como sociedade global, entro para conferir os meios de comunicação, e todos me falam sobre a pandemia do coronavírus. Para alguns é motivo de pânico e preocupação, para outros, uma gripe forte que vai passar. Os médicos e especialistas no caso falam sobre ficar em suas casas, sobre respeitar a quarentena. Eu me pergunto: Quantas pessoas estarão respeitando essa quarentena? E quantos vão levá-la como uma brincadeira?

Ao abrir meu perfil no Facebook, encontro uma mensagem que acaba de impactar minha mente e coração. Minha mente porque me fez refletir ainda mais sobre a prudência e a responsabilidade que devo ter nesses momentos, e meu coração porque se trata de uma mãe que foi levada com emergência ao hospital e deu positivo para o coronavírus. Mas como eu a conheço? Porque temos alguns amigos em comum na rede social.

Leia também:

Meu desejo de compartilhar as seguintes linhas com você é para que tomemos consciência da situação, para que busquemos nossa maior esperança, que é Jesus, e para que oremos por essa mãe, seu filho e todos aqueles que estão sofrendo com a doença do coronavírus.

A mãe tem um filho de nove anos. Ambos vivem em um pequeno povoado na Holanda.

Ela escreveu uma carta em seu perfil do Facebook, como se estivesse se despedindo de seu pequeno filho, Samuelzinho, e pediu que oremos por ela. Compartilho a carta que ela mesma compartilhou, como perfil público. Por favor, leia e reflita nas promessas de Jesus, em Seu amor, na vida e na prudência que devemos ter nestes tempos difíceis.


Amado filhinho, meu precioso Samuelzinho, “Sam”, Deus sabe que a mamãe aprendeu com você a amar, a perdoar o passado… Quando soube que seria mãe, tive medo… Não acreditava estar preparada para tal responsabilidade; meu coração estava ferido pelo meu passado, pela minha infância… Pensava repetidamente em como que eu poderia ser uma boa e terna mãe, como poderia levá-lo aos pés de Jesus, como poderia lhe dar algo que desconhecia em minha vida, como dar algo que não havia recebido… Fiquei aterrorizada, mas um profundo amor invadiu meu ser, e decidi lutar quase os 9 meses quando parecia que eu viveria mais no hospital.

Adoeci no 9° mês e parecia que eu o perdia a cada semana… eu e você nos agarramos à vida. Deus estava sempre cuidando de nós. Decidi ser a mamãe mais doce e mais nobre… Eu gostava de cozinhar, costurar todas as suas coisinhas,  cozinhar super saudável. Eu ensinei você a se alimentar corretamente como Daniel e seus amigos. Por amor a Deus, eu fiz o melhor que pude, ensinando-lhe as histórias bíblicas para que elas sejam sua ferramenta nos tempos difíceis. Amar a Jesus é primordial, querido filho. Nunca se esqueça disso. Falta pouco para vermos nosso amado Jesus. Lembre-se dos livros de Daniel e Apocalipse. Neles estão as verdades para esses últimos anos da humanidade… Estou grata a Deus por ter me dado um filho tão nobre e bom… Você é minha benção.

Você não pode imaginar como meu coração de mãe dói. Meu desejo é que você continue firme esperando nosso Salvador. Use seus talentos ao serviço de Deus e do próximo.

Voe sempre, nunca deixe de sonhar e se esforce para alcançar seus objetivos, mas certifique-se de que elas são para a glória de Deus. Que seus preciosos olhos vejam sempre o céu azul. Desfrute da natureza, do amor ao próximo, e lembre-se que, mesmo que você caia, levante-se, porque o Deus que o ama tanto sempre estará com seus braços cheios de amor esperando por você.

A mamãe te ama com todo o coração. Peço perdão a Deus por muitas vezes não ser uma mãe melhor. Eu gostaria de vê-lo crescer, estar ao seu lado… Mas, acima de tudo, gostaria de vê-lo um homem do bem, temente a Deus, feliz… Fique com o papai. Vocês são um ótimo time, e Toffie também.

Lembre-se, meu precioso raio de Sol, Deus o AMA; papai e mamãe também. Que seu anjo da guarda o proteja de todo mal, que nosso amado Deus lhe dê SABEDORIA e que Seu consolo preencha seu coração, sua alma. Gostaria de escrever muito mais para você… Mas resumo em poucas palavras: EU TE AMO. Nunca se esqueça. Milhões de beijos e abraços eternos. OBRIGADA, MEU DEUS, PORQUE SENDO EU tão pequena, pecadora… com quase nada de acertos … O SENHOR ME DEU MAIS DO QUE EU MERECIA… OBRIGADA, Samuelzinho, por encher minha vida de amor. EU TE AMO, MEU RAIO DE SOL!

MAMÃE.

Observação: Levo os milhares de abraços de urso polar comigo, os beijos eternos, seu doce sorriso, seus sonhos, seus carinhos, suas receitas de chefe, seus criativos cartões. Levo comigo aquele primeiro dia que, com 4 meses, você me disse mamãe, e meu mundo mudou para melhor. Nunca se esqueça: você fez sua mãezinha muito feliz.

Comitê familiar de crise

Gosto de pensar em minha família como um time de futebol, pois para meus filhos essa imagem é mais concreta. Todos nós temos um lugar designado dentro do time: o técnico, os jogadores, a equipe de apoio, etc. Nosso objetivo é “fazer o gol” e precisamos uns dos outros. Em ocasiões em que o “time adversário” exige um trabalho de mais esforço, precisamos nos sentar e conversar sobre o rival, conhecê-lo, saber quais são seus pontos fracos e também os pontos fortes. Isso equivaleria a um comitê familiar de crise.

Diante de mudanças tão drásticas, precisamos explicar a nossos filhos, de uma maneira que eles entendam, o que está acontecendo no mundo e como o impacto desse coronavírus – ou Covid-19 – vai modificar nossa rotina e

Muitas das crises chegam sem pedir permissão, surpreendem, mexem com nossa cabeça e mudam a rotina com a qual estávamos acostumados. É o grave acidente de um filho, a morte de um ente querido, a notícia de que um de nossos pais perdeu o emprego, ou algo no nível comunitário, como a necessidade de enfrentar um vírus até pouco tempo desconhecido, que gera mudanças inesperadas na rotina diária.

Ao ler este artigo, talvez você se encontre pensando em como organizar a vida familiar nos próximos dias, em que o pedido de todos os setores da sociedade é: fique em casa. Esse é o meu pensamento agora. Não precisamos parar 15 dias para saber que a convivência não vai ser fácil. As responsabilidades de cuidado que antes eram distribuídas entre a escola, as atividades extras, a igreja e outras agora estão novamente sob os cuidados dos pais, que devem planejar como enfrentar o confinamento, conciliando o trabalho, a casa e o cuidado dos filhos.

É o papel dos pais

Gosto de pensar em minha família como um time de futebol, pois para meus filhos essa imagem é mais concreta. Todos nós temos um lugar designado dentro do time: o técnico, os jogadores, a equipe de apoio, etc. Nosso objetivo é “fazer o gol” e precisamos uns dos outros. Em ocasiões em que o “time adversário” exige um trabalho de mais esforço, precisamos nos sentar e conversar sobre o rival, conhecê-lo, saber quais são seus pontos fracos e também os pontos fortes. Isso equivaleria a um comitê familiar de crise.

Diante de mudanças tão drásticas, precisamos explicar a nossos filhos, de uma maneira que eles entendam, o que está acontecendo no mundo e como o impacto desse coronavírus – ou Covid-19 – vai modificar nossa rotina em um curto ou médio período. As crises nos fazem agir de maneira diferente da “normalidade”, e isso exigirá uma boa disposição de cada integrante do time.

Medindo a informação

Como acontece em um mundo tão interconectado, o excesso de informações é uma realidade esmagadora para qualquer adulto; imagine para uma criança! Por isso, os adultos precisam filtrá-las para não provocar ansiedade ou medos desnecessários. Neste momento, há tanto material oportuno que você pode usar vídeos, impressos ou textos adaptados para crianças que ajudarão a explicar tudo o que eles precisam saber sobre essa pandemia.

Permita que as crianças façam perguntas que venham a surgir para que deem sentido a tudo o que já viram ou escutaram sobre esse assunto. Mais uma vez, cuidado para não expor as crianças a vídeos ou áudios que possam gerar medo ou temor com coisas que estão além de seu controle.

Reforçando as medidas de segurança

Nesse “comitê familiar de crise”, ou reunião técnica, depois de explicar quem é o “rival”, é necessário pensar juntos sobre como enfrentá-lo. Explique por que é preciso ficar em casa e quais medidas de precaução serão tomadas: por exemplo, reforçar a lavagem das mãos, qual é a melhor forma de espirrar ou tossir, cuidar com aspectos relacionados ao descanso, exercício físico, alimentação saudável, etc.

Se antes vocês não prestavam atenção a esse estilo de vida, é hora de fazer mudanças que promovam a saúde no ambiente familiar. E lembre-se de que crianças são crianças: algumas têm facilidade de lembrar e cumprir as medidas de segurança propostas. Aqui em casa é necessário lembrar constantemente como ganhar “do time contrário”.

O que faço com a rotina?

Agora é o momento de pensar juntos o que fazer e como vocês enfrentarão esses dias que ficarão em casa. Dependerá muito se um dos pais pode ficar com os filhos ou se eles ficarão sob os cuidados de outra pessoa. Porém, uma coisa é clara: não estamos de férias. Por isso, é preciso elaborar, votar e deixar à vista de todos um horário ou uma lista com as atividades que os “jogadores” terão que cumprir durante o dia. Isso ajudará a manter a ordem em casa e a envolver as crianças em atividades úteis para o desenvolvimento de habilidades para a vida.

Não hesite em pedir que lavem a louça, varram a cozinha ou arrumem a cama. Além das tarefas de casa, dedique tempo na rotina diária para que elas leiam, tenham momentos de brincadeira e façam alguma atividade física. Para isso, os pais precisam de uma grande dose extra de paciência e compreensão.

Paciência porque o dia será longo e precisarão lidar com muitas situações que podem desgastar a convivência; e compreensão porque não é fácil ser criança e ter que ficar trancado dentro de casa. É necessário enfrentar essa situação com a melhor disposição.

Transmita esperança

As situações de crise nos ajudam a dar valor real às coisas e às pessoas. Os pais cristãos têm a vantagem de contar com as promessas bíblicas de proteção e cuidado. É por isso que precisamos transmitir essa esperança a nossos filhos. Não deixe de fazer o culto familiar, ensine promessas bíblicas que possam ser repetidas em momentos de necessidade, orem pelas pessoas que estão expostas ao contágio desse vírus, como médicos, enfermeiros, idosos, etc. E, acima de tudo, desfrute a companhia de seus filhos em casa. É um privilégio que, devido à vida acelerada que levamos, raramente desfrutamos.

Resumindo:

· Reúna sua família para um comitê de crise;

· Explique para seus filhos o porquê da crise (neste caso, o coronavírus);

· Por meio de recursos audiovisuais, permita que as crianças saibam do que se trata esse vírus. Converse com eles e esclareça qualquer dúvida que possa surgir;

· Elaborem juntos um plano de ação para que cada membro da família saiba o que fazer, como fazer e quando fazer. Reforce as medidas de higiene e hábitos saudáveis;

· Orem a Deus pedindo proteção e cuidado para a família e por aqueles que estão sofrendo pelo contágio desse vírus. Declarem sua fé em Deus e em Suas promessas.

m um curto ou médio período. As crises nos fazem agir de maneira diferente da “normalidade”, e isso exigirá uma boa disposição de cada integrante do time.

Por:  Cuca Lapalma